Noiva: padrões de beleza e a importância da autoestima

Comecei e recomecei esse texto algumas vezes. Talvez porque falar sobre seus próprios demônios seja difícil ou porque reconhecê-los seja ainda mais complicado. E aí mais uma dúvida surge e dessa vez da parte de quem está lendo: o que isso tem a ver com autoestima das noivas?

Tenho uma tendência que pode ser considerado o sonho de muitas. Enquanto quase todas as mulheres sonham em ser magras, sempre fui e nunca fiz esforço para tal. Sou do tipo que por qualquer motivo emagrece. O que não significa que eu esteja sempre saudável. Nem sempre corresponde aos fatos, o estereótipo de que o corpo magro implica em saúde. Tenho colesterol alto desde os 22 anos, precisei tomar remédio durante um tempo e para me livrar da escravidão de remédios, segui a grande dica do meu endócrino: faça atividade física e dieta. Foi então que comecei a praticar corrida e procurei uma nutricionista para uma reeducação alimentar específica para o meu caso.

E estava tudo muito bem. Taxas e peso ok! 52kg estava excelente para minha altura (vou arredondar para 1,60cm, tá certo? 😉 ). Até que fiquei noiva em 2011 para casar em 2012. E começou minha neurose com peso e meu corpo.

Eu queria alcançar um padrão Kate Middleton de cintura e não medi esforços para isso. Parei com o muai thay que fazia na época, pois não queria músculos, queria magreza. Corria todos os dias, até nos finais de semana e fiz uma “dieta da minha cabeça”, sem qualquer acompanhamento, cerca de 1000 a 1200 calorias por dia. Se atingisse a “meta” de calorias do dia, passava o resto do dia tomando chá verde. Completava esse “estilo de vida” com muita drenagem e massagens modeladoras.

Faltando 15 dias para o casamento, no que seria uma última prova do vestido, a estilista teve que refazer toda a parte de cima do vestido e disse: pare de emagrecer. Na minha cabeça aquilo foi ótimo. A gente recebe um “você está magra” como um elogio, não é mesmo? Mas não deve ser assim.

E se consegui meu objetivo? Casei com a imagem que queria, pesando 49kg, 60cm de cintura e posso dizer que minha salvação foi a data do meu casamento!!!

Todos os sinais estavam lá, mas hoje percebo que quem está às voltas com algum distúrbio, alguma neurose, obsessão, enfim.. não sei como nomear, simplesmente não percebe. O primeiro estalo de que o que fiz era errado, foi uma queda gigantesca de cabelo. O meu penteado de noiva era um coque imenso que tinha além de aplique, enchimento com palha de aço (sabe mil e uma utilidades?). O cabeleireiro disse que meu cabelo estava caindo além do normal e disse para procurar um dermatologista. Na lua de mel me permiti voltar a comer normal, porém “comida demais”, me causava náuseas e muita indisposição, pois foram muitos meses comendo quase nada. Quando voltei de viagem fui novamente ao cabeleireiro para dar um jeito no meu cabelo ralinho e, mais uma vez, ele disse que não estava bom e meu cabelo estava com muitas falhas. Fui num dermato e diante da grande queda e estado de calamidade do meu cabelo, ele fez várias perguntas para saber a causa daquilo e disse que parecia desnutrida. Eu, ainda cega, disse que tinha sido o estresse do casamento.

Como disse, a data do casamento foi minha salvação, saí daquele espiral que se durasse mais alguns meses, não sei como acabaria. Apesar de todas as evidências e avisos, só fui assimilar a loucura que fiz quando, ao rever minhas fotos de noiva com uma colega do trabalho e indagar se algum dia conseguiria aquela cintura novamente, ela foi enfática na resposta: “- Não. Você parou de comer! ”

Essa frase ficou dias martelando na minha cabeça. Relembrei toda a minha trajetória neurótica em busca de um padrão de beleza, um ideal que para ser uma noiva bonita, tinha que ser magra. E logo eu que dou dicas para que as noivas usem aquilo que as favorece de acordo com o corpo e biotipo de cada uma.

Sempre orientei minha vida para que tivesse um corpo e vida saudável e defendo que dietas e reeducação alimentar devem ser utilizadas para ter saúde e bem estar.

Se você é noiva e quer ficar bem no grande dia, procure uma equipe que cuide de você da sua saúde física e mental. Faça suas massagens, seus tratamentos estéticos, mas você não precisa se encaixar num padrão, não precisa caber num vestido, não precisa ter a cintura de ninguém que não seja a sua.

O vestido de noiva que deve se adequar em você, às suas formas e seus contornos.Seja uma noiva linda e esteja bem consigo mesma. Não busque uma perfeição ilusória que pode lhe custar sua saúde.Hoje estou muito bem tomando o meu vinho nos finais de semana, comendo o que quero e gosto (sempre de olho no colesterol) e não tenho e nem quero a cintura de Kate Middleton. Tenho a minha que me faz feliz.

Originalmente escrito para o blog Futilidades