Casamento ao ar livre | Clarice e Markov

Hello Noivas de Evasê!!!

Um lindo casamento ao ar livre aqui em Natal/RN, para encher seu dia de amor e inspirações, pois se você sonha com um casamento único, criativo e cheio de personalidade, vai cair de amores pelo casamento da Clarice e do Markov, o casal #ClaKov.

Os noivos disseram “SIM”, numa linda celebração ao ar livre, no dia 26/11/2016, em Natal/RN. A cerimônia e a recepção aconteceram no mesmo local. O casal escolheu um espaço amplo e rodeado por muito verde, a Macamirim Eventos, e foi um dia lindo e muito especial. O casamento tradicional é o mais comum e é o que todos esperam, seja fornecedor ou convidado. Mas a cada dia as pessoas esperam por algo inusitado, que seja marcante e a cara dos noivos. A Clarice sonhou um casamento cheio de detalhes, mas que todos fizessem sentido e estivessem ali contanto a história de amor dos dois e que representasse o casal. Ficou curiosa para conferir esse casamento único??? Mas antes de conferir todos os detalhes desse casamento vibrante e a cara dos noivos, vamos saber como tudo começou.

História de amor

A Clarice acredita que olhando de fora os dois são muitos diferentes, pois ele é sério e ela uma palhaça, mas no fundo são mesmo super parecidos do tipo que se complementam com as diferenças e semelhanças. Gostam de jogar conversa fora, beber, de cantar (ele toca e, segundo Clarice, ela faz de conta que canta). Amam praia e ficar deitados fazendo nada, de netflix, de vídeos no youtube e: “de rodar pela cidade e reclamar que não tem pra onde ir…” #Quemnunca, não é mesmo?

Mas tudo começou assim:

A gente se conheceu em 2007, na faculdade. Ficamos “ficando” por alguns meses, mas ele não tinha planos de namorar, e eu sim, então nos afastamos. Nos afastamos entre milhões de aspas porque meus amigos já tinham incluído ele em tudo, então acabamos virando amigos. Hoje vejo tudo que houve nesse “hiato” e como foi preciso passar por essas coisas. Namorei outras pessoas, ele também, e a amizade se mostrou verdadeira. Atééé que em 2011, nos encontramos os dois solteiros, e ele veio me pedir em namoro. Acho que só comecei a botar fé depois de uns 6 meses, kkkk.

O namoro durou 5 anos. Quando passou de 2 anos, e eu nem tinha percebido o tempo passar, comecei a assimilar que viver ao lado dele poderia ser bem divertido.

O pedido

Noivamos em julho de 2015, numa tarde de chuva, dentro do carro no antigo Vale das Cascatas hoje conhecido com Pinheiros, na via costeira. Ele conseguiu o que eu menos achava que conseguiria: ser surpresa.

Preparativos

Foi uma saga. Mas acredito que seja sempre assim; é uma festa, mas com um significado tão importante, necessita de atenção e cuidado. Meu primeiro contrato eu fiz questão que fosse o do cerimonial e acertei muito nessa escolha. Primeiro que comecei tudo em janeiro e apesar dos 10 meses que tinha pela frente, a cada reunião ouvia algo como “novembro, já? Você tá meio atrasada né?”. Claro que antes mesmo de estar noiva, boa fã de festa que sou, já tinha uma pasta no Pinterest nos favoritos, repletos de referências. A maior parte das coisas já sabia o que queria. E o que queria era que tudo tivesse significado, que fosse nossa cara, que fosse divertido e leve. Acho que conseguimos.

A maior dificuldade que tive nos preparativos foi lidar com o tradicional esperado pelos outros. Perdi verdadeiramente as contas das vezes que tive que defender minhas ideias, mostrar que sim, outras pessoas já fizeram, ou que aquilo que era o tradicional não tinha nenhum significado pra mim e que seria absurdo manter. Não queríamos cerimônia na igreja, nem nada religioso, não fazia muito sentido pra nós e essa foi a primeira decisão não tão bem recebida. Fui pesquisar praia primeiro, mas descobri que vento demais e cheiro de maresia não me encantava muito.

Então fui para o campo e encontrei a Macamirim. Saí da primeira visita impressionada “não é possível, tem que ter algum defeito!”. Não tinha. Não teve.

Meu bolo não foi de ameixa e nem teve cinco andares e até agora recebo ligação perguntando como encomendar. Não teve bem casado, um choque kkkk, teve a delicia da geleia de pimenta feita pelos pais de Markov e teve que ter até para os convidados que não puderam ir pela repercussão. Detalhes escolhidos a dedo, como meu brinco ser azul (precisava do something blue kkkk), como o vestido que não foi novo, nem feito sob medida, mas sim o usado pela minha sogra há 37 anos, uma honra. A cerimônia também foi um festival de pequenos detalhes “incomuns”. Entrei com minhas duas avós, foi com elas que morei a maior parte da minha vida. Meu pai participou do cortejo entrando com a minha “boadrasta” e minha mãe com o pai do noivo. Os padrinhos não foram casais e sim nossos melhores amigos. Três pessoas de cada lado, sendo duas madrinhas e um padrinho pra mim e dois padrinhos com uma madrinha pra Markov. Cada um com uma função, um como testemunha, outro para entregar as alianças e o último para fazer um pequeno discurso, participando da própria cerimônia, afinal quem melhor pra falar da gente do que aqueles que já viram todos nossos defeitos e ainda continuam por perto, né? Kkkkkk Poderia falar sobre outros muitos detalhes, mas acho que já dá pra ter uma ideia que tudo foi pensado com muito cuidado e carinho.

Tantos detalhes e tantas expectativas, imaginem como a Clarice estava se sentido prestes a dizer o “SIM”, de um jeito tão especial e cercada por tantos símbolos referente ao amor das famílias e amigos. Então o grande dia chegou para o casamento campestre #ClaKov.

O Grande Dia

Estava preparada pra virar uma bridezilla, mas fiquei calma. Demais até, kkkk. Tudo foi acontecendo como o esperado, almocei já na Macamirim, me arrumei lá, sempre falando com Markov por mensagens, investigando como andava a calma dele. Mas houve um atraso, nem sei ao certo de quanto tempo, levaram embora meu relógio, kkk. E aí, fiquei nervosa. Não pelo atraso, mas porque em determinado momento me deixaram sozinha no quarto, vestida de noiva. Foi assustador, mas proporcionalmente deslumbrante. E quando eu vi, me chamaram, tava na hora.

Que emoção não é mesmo? E é exatamente assim que a Clarice descreve o casamento, que absolutamente tudo é emocionante: “desde a entrada com uma avó que não conseguia parar de sorrir e outra sem conseguir conter as lágrimas, até o “sim” de Markov, que segundo ele, precisou ensaiar bastante pra falar no microfone kkkkk. Foi uma cerimônia de muito mais risos do que lágrimas e adorei isso.”

Venham conferir toda a emoção e beleza do grande dia da

A festa

Fiquei feliz de não ter conseguido ficar bêbada (eu tentei kkkk) porque vi tudo, aproveitei cada minutinho, poderia ter comido mais, é verdade, mas foi maravilhoso. Ver família e amigos felizes com sua felicidade não tem preço. Acho que até nas fotos o que se destacou foi a história de beber no sapato do noivo. Um dos padrinhos se empolgou e decidiu fazer na hora, todo mundo foi “obrigado” a beber (sério, foram poucos que escaparam) e só quando o sapato já estava mais do que esterilizado foi que se soube que não era um sapato novo, kkkkk

Dica minha: bebam para se divertir e ficar alegrinhas, mas não para ficar bêbada total e esquecer da festa. Fez muito bem a Clarice que bebeu, curtiu e lembra de cada detalhe desse casamento repleto de boas vibrações e transbordando amor.

Dica da noiva

Sobre a festa diria pra você fazer do seu jeito. Não é tão simples quanto parece, às vezes você vai receber pitaco da vizinha da prima da cabeleireira da sua tia que não sabe nem quem é você, nem seu noivo, mas também pode ser alguém próximo e que você queira agradar; então é preciso cuidado. Não deixe de escutar (vai quê, né?), mas se não fizer sentido, descarte. A festa é de vocês, sobre vocês, e (até dizem que não, mas é) pra vocês. Outra coisa importante que tentei internalizar bastante, é que imprevistos acontecem, coisas dão errado, então o ideal é que no dia você relaxe, bote alguém para o cerimonial se dirigir pra resolver qualquer pepino e curta o que tiver pra curtir.

Como amei todos os detalhes e todo o depoimento da Clarice. Às vezes não basta que eu diga para vocês, é preciso que uma noiva narre tudo o que viveu, fez e se inspirou e que vocês possam ver o resultado lindo. Agradeço a Clarice e ao Markov por terem escolhido o Noiva de Evasê como o veículo para contar a história dos dois e inspirar outros casais para realizarem um casamento cheio de vida e personalidade.

Inspirem-se.


Guia Noiva de Evasê

Macamirim Eventos


Fornecedores desse casamento
Local: Macamirim Eventos | Porta guardanapo: Mãe do noivo | Bebidas (Coquetéis e cerveja): Bar Service | Bem-casados: a lembrança dos convidados foi Geléia de Pimenta (base de maça) feita pelos pais do noivo | Beleza da noiva (cabelo e maquiagem): Helena Macêdo (@helenaquefez) e Luana Mello (@luanapenteados) | Bolo do casamento: Jolie Patisserie (Red Velvet com recheio de baunilha com calda de frutas vermelhas) | Buffet: ChezRogéria por Maria Emília | Buquê de flores/arranjo cabelo noiva, daminhas e madrinhas: Glauce Camilo pela Abelha Flor | Celebrante: Rosânia Amaral | Cerimonial: Jacy Braz pelo M&J Cerimonial | Convite: Estúdio Fina Flor | Decoração cerimônia e recepção: Rebeca Ribeiro | Dia da noiva (local): Macamirim Pousada | Docinhos: Jolie Patisserie | Figurino do noivo: Éden | Filmagem: Royal Cinema | Fotografia: Diego Marcel | Grinalda: Cris Iglesias | Iluminação: JPS Iluminação | Lembrança dos padrinhos: Kit Cantil e mini whisky, noiva | Lembrança das madrinhas/daminhas/avós e mãe do noivo: Robes Personalizados Day Ferreira | Papelaria e identidade visual: Estúdio Fina Flor (Convite, menu, identificação das mesas, tag das lembranças e tag da geleia) | Suporte das alianças: Os padrinhos que entregaram, não teve suporte | Vestido da noiva: Vestido do casamento dos pais do noivo – 37 anos. Reformado por Cris Iglesias | Topo de bolo: Decidi Casar.

 

Deixe seu comentário

1 comentário