Casamento rosa, dourado e preto

Bom dia noivinha!!! Pesquisando paleta de cores para a decor do seu casamento?! Já pensou em juntar ao combo do momento rosa e dourado, o preto?!

Chique, elegante e sofisticado. Se esse é o seu estilo e seu sonho para um casamento tradicional, então começa a salvar na sua pastinha de referências, esse casório belíssimo com mesas decoradas com arranjos florais e muitas velas.

Confere!

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27

Confesso que não gostei do bolo. Achei exagerado e que não combina com a festa. Mas ele não está de todo perdido, talvez com menos elementos, menos cachos de uvas (achei muito Carmem Miranda para a ocasião) e se fosse num casamento ao ar livre ou campestre, funcionaria muito bem.

28 29 30

Tirando o bolo, a decoração está perfeita.

Inspirem-se noivinhas!!!

Imagens Adam Barnes Fine Art Photography

Casamentos Reais | Jamille e Tarso

Noivinhas queridas que gostam de escrever e ler muito, mesmo que seja em frente ao computador, aqui é o seu lugar.

Escrevo muito e não temo perder público na internet por causa disso. É impossível resumir felicidade, amor e economizar palavras para expressar alegria.

Sobre essa casamento lindo e perfeito, com naked cake e buquê de broches e, o mais importante: amor, só tenho algo a acrescentar:  Um dia de chuva é tão belo como um dia de sol. Ambos existem; cada um como é. Fernando Pessoa.

Agora é com a noiva Jamile, que vocês devem lembrar desse ensaio lindo:

. . .

Preparem-se para ler muito, porque não sei falar pouco, especialmente em se tratando do  casamento.

Para falar sobre o meu casamento, primeiramente preciso falar sobre nós. Eu e Tarso somos muito parecidos. Muito mesmo. Conhecemos-nos na balada, mas vivemos praticamente todo o nosso namoro, quatro anos e cinco meses, na praia, onde ele morava.  Não pensávamos em casar, pois não somos ligados a tradições.  Mas um dia começamos a falar em casamento, e a primeira ideia era fazer festa e cerimônia em um mesmo lugar: praia, claro! A intenção era fazer uma cerimônia simples, onde recebêssemos as bênçãos de Deus, dos nossos pais e dos amigos mais queridos. A festa tinha quer ser animada, muito animada, e assim foi. Sinceramente, foi à festa mais animada da minha vida.

Tudo foi planejado e organizado em pouco tempo e corremos riscos, muitos.  Resolvemos a data em dezembro, casamos em maio. Nossa maior preocupação com relação à data foi a lua cheia. Escolhemos a Cervejaria Continental por ter um ambiente à beira-mar e outro fechado. Pronto, data escolhida: 24 de maio, uma sexta-feira e final de tarde, 17 horas, pôr do sol. Sim, sexta-feira. Pesamos se valeria a pena fazer uma festa num horário em que as pessoas ainda estariam trabalhando… Mas arriscamos. Pra nossa melhor surpresa, o salão estava cheio. Que coisa linda! Nossos convidados realmente se esforçaram pra estar lá, e essa foi a maior demonstração de carinho que já tivemos. Ele é de Brasília e a família toda mora espalhada pelo Brasil. Fomos tão felizes em contar com a presença de familiares de Cuiabá, Minas Gerais, Distrito Federal…

Voltando aos preparativos: eu sou muito, muito perfeccionista e exigente. Não queria uma festa “enlatada”, e tudo tinha que ser muito a nossa cara. Queríamos que os convidados se divertissem e nos reconhecessem em cada detalhe. Para isso, fizemos quase tudo. Criamos uma identidade visual, as silhuetas, desenhadas pelo noivo através de uma foto real nossa. Essa marca esteve impressa em quase tudo, desde o convite do chá de panela aos guardanapos do buffet.

Minha mãe foi meu braço direito, esquerdo e as duas pernas. Com habilidade para artesanato, também fez de um tudo: porta-guardanapo, souplats… E o tão cobiçado buquê de broches. Nunca havia feito, nunca viu um pessoalmente. Peguei uma imagem na internet, compramos o material e pronto, saiu aquela perfeição. Meu pai também pôs a mão na massa, cortou madeira, pintou… Enfim, minha família pegou no batente pra fazer do nosso jeitinho. O que não fizemos, encomendamos ou compramos pela internet. Até os itens da decoração eu juntei, comprei ou aluguei. Um dia antes da festa fiquei acordada até as duas horas da madrugada escolhendo as frases e citações que estariam em cada mesa dos convidados.

Estive sempre acompanhando tudo muito de perto. Acompanhei a decoração até durante o dia de noiva… rsrsr O decorador mandava fotos pelo celular e eu dizia se estava bom, o que precisava mudar… O bolo nós decidimos o modelo meses atrás e tivemos que mudar de fornecedor faltando uma semana para o casório porque o fornecedor inicial disse que não conseguiria fazer. Arriscamos mais uma vez, pois o bolo nesse modelo foi o primeiro feito pela fornecedora que se dispôs a nos atender.  “Nunca fiz, mas posso fazer”, foi a resposta que tivemos. Arriscamos e … Deu certo! Foi melhor do que imaginávamos!

Mas eu não contava que algo fugiria ao controle. Naquele dia choveu. E não houve pôr do sol nem lua cheia. E eu, que durante todo o dia estive preocupada em estar sob o controle de tudo, a caminho da cerimônia, dentro do carro e ao lado do meu pai que não conseguia disfarçar a apreensão, pensei: não é pra ser como eu quero. Será como Deus quiser. E foi a festa mais linda e feliz da vida. O rosto do meu noivo, a me ver entrar a caminho do altar, será a mais doce lembrança daquele dia.  E eu nem lembrava que não deveria ter chuva, que deveria ter pôr do sol… Nada. O que era mais importante estava ali, à minha espera. E estava lindo!

Claro que para tudo dar certo estivemos cercados de pessoas responsáveis e competentes. Nossas escolhas foram as melhores, tenho certeza. A cerimonialista foi um anjo a quem sempre agradecerei. No meio da agonia da chuva, foi ela quem mudou tudo de lugar, organizou e resolveu a situação. Enfim, fomos abençoados.

Tivemos o carinho de muitas pessoas especiais. O padrasto de Tarso, o músico Gilberto Cabral, tocou por seis horas seguidas, desde a cerimônia, e com as duas bandas da festa. Aliás, a música é um capítulo à parte. Todos os músicos são nossos amigos. Todo o repertorio foi escolhido por nós. Durante a cerimônia tocaram músicas que significam muito pra gente. Tudo foi em ritmo de reggae. A festa teve ritmos latinos. Um dos nossos maiores presentes foi a presença da banda Camba. . Essa banda tocava na festa em que nos conhecemos em 2008. Liderada por Gilberto, meu sogro, a banda se desfez alguns anos atrás, e os músicos, que continuam tocando em bandas diferentes, se reuniram especialmente para o nosso casamento. Não há carinho maior. Estávamos nas mãos de pessoas que se esforçaram mais do que deveriam pra termos um dia inesquecível.

E hoje eu faria tudo novamente, do mesmo jeito, sem mudar nada.

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18

Espaço da cerimônia e festa: Cervejaria Via Continental | Iluminação – Locasom |Primeira banda da recepção: Maíra Sales |Segunda banda: Banda Camba | Decoração: Diego Pereira – Arte Floral | Fotografia: Nise Ana | Buffet : Sônia e Milvia | Drinks: Art e Bar Coquetéis | Bolo: Tereza Neumann | Filmagem: Maracujá Limão | Doces, mini-sobremesas e bem-casados: Ana e Cláudia | Brigadeiro no tacho: Doce Brigadeiria | Chopp: Brahma | Roupa noivo: Brooksfield | Vestido noiva: Yolla Boutique | Headband da noiva: Elizabete Munzlinger | Dia da Noiva: Sinval de Souza por Thiago | Cerimonial: RKM Cerimonial

. . .

Muito obrigada a Jamile e Tarso por compartilharem tudo com o Noiva de Evasê e muito mais amor e harmonia ao casal.